28.5.16

14 Benefícios da água para a saúde

A água faz bem à saúde, afinal, entre 60 e 75% do nosso corpo é composto por água. Dentro ou fora das células do nosso organismo a água está lá pra fazer inúmeras funções. Por aí já dá pra imaginar o quão a água é benéfica.

Vamos conferir vários benefícios da água para a saúde?

14 Benefícios da água para a saúde
 Benefícios da água para a saúde

Beber pelo menos dois litros de água por dia, de acordo com a orientação dos médicos*, traz uma série de benefícios à saúde. A ingestão de água auxilia na perda de peso, diminui o cansaço, deixa a pele mais bonita e ajuda a combater o mau humor, entre outras vantagens.
* Veja no fim do artigo que esse valor muito pode variar de pessoa para pessoa.

14 BENEFÍCIOS DA ÁGUA PARA A SAÚDE HUMANA


1. A água alivia a fadiga:


Um dos motivos do excesso de cansaço pode ser o baixo consumo de água. Quando não se ingere quantidade suficiente, o coração é obrigado a trabalhar mais para bombear o sangue oxigenado para as células e os órgãos principais, o que acaba causando mais fadiga.

2. A água regula a temperatura do corpo:


As propriedades da água têm capacidade de ajustar a temperatura corporal. Ao estar regulada, faz o corpo concentrar mais energia. Além disso, músculos e articulações se mantêm lubrificados, o que evita cãibras.

3. A água melhora o humor


A água traz bem-estar e melhora o nível de energia. Quando o corpo está ativo e em estado de funcionamento adequado, envia um sinal positivo até o cérebro, o que melhora o humor. Auxílio na perda de peso A água ajuda a eliminar os subprodutos da gordura, traz sensação de saciedade e diminui o apetite.


4. A água combate dores de cabeça e enxaqueca:


Na maioria dos casos, a principal razão das dores de cabeça e das enxaquecas é a desidratação, por isso, beber água vai aliviar o incômodo. Auxilia na digestão Beber água facilita o trânsito intestinal e, consequentemente, previne a prisão de ventre.
14 Benefícios da água para a saúde

5. A água mantém a pele saudável:

A água ajuda a repor os tecidos, a hidratar e a aumentar a elasticidade da pele. Quando o corpo recebe água suficiente, a pele fica hidratada, suave e radiante.

6. A água combate o envelhecimento e trata cicatrizes:


A água também contribui para a redução de cicatrizes, acnes, rugas e outros sinais do envelhecimento.


7. A água melhora o sistema imunológico:


O sistema imunológico melhora quando o corpo recebe a quantidade ideal de água.


8. A água diminui o risco de câncer:


Alguns estudos indicam que o consumo de água pode reduzir o risco de câncer de bexiga e de cólon.


9. A água combate a gripe e os resfriados:


Doenças respiratórias e infecciosas em geral "precisam" da água para que o sistema imunológico combata a doença e elimine os elementos tóxicos que são resultado de tal combate (vírus x células de defesa corporal).


10. A água combate e evita cálculos renais:


É claro que as famosas "pedras nos rins" não irão se dissolver apenas com água, mas ela ajuda muito nesse processo. Além disso, a água pode evitar a formação de cálculos renais uma vez que ela é uma facilitadora do bom funcionamento dos rins.


11. A água emagrece:


A água ajuda a eliminar toxinas e excesso de sal, elemento responsável pelo inchaço do corpo [Leia: Água aromática que desincha a barriga em 5 dias]. Ela ainda ajuda medicamentos e fitoterápicos para emagrecer a fazerem seu papel. [Leia: Beber água emagrece até 8 quilos com saúde]

12. A água combate o mau hálito:


Em geral, o mau hálito é um sinal claro de que o corpo precisa de mais água. A saliva ajuda a boca a se livrar de bactérias e a manter a língua hidratada. Parte da saliva é formada de água, por isso ela é líquida e tem o poder de hidratar.



13. A água previne ataques cardíacos:


O funcionamento do coração depende 100% da entrada e saída de íons do músculo cardíaco, em especial o sódio e o potássio, que juntos formam a "bomba de sódio e potássio".


14. A água substitui todas as bebidas:


Como não contém calorias, carboidratos, gorduras, nem açúcar, a água é um substituto das bebidas com alto teor calórico.

E pra fechar este artigo com chave de ouro, descubra quantos litros de água VOCÊ precisa beber por dia no artigo: Quantos copos de água devemos tomar por dia?

Fontes: Os itens foram elaborados pela Farmacêutica Renata Fraia e Matéria Primma / Acquíssima, água mineral premium da Comexim Bebidas
Leia Mais ►

Vacinas para adultos - saiba quais são as vacinas que adultos devem tomar

Sempre lembramos de vacinar as crianças e sabemos da importância que essas vacinas representam na saúde dos pequenos, mas muitos adultos se esquecem que os adultos também precisam tomar algumas vacinas.

Saiba quais são essas vacinas:





Vacina dupla tipo adulto - para difteria e tétano

A difteria é causada por uma bactéria, que é contraída pelo contato com secreções de pessoas infectadas. Ela afeta o sistema respiratório, causa febres e dores de cabeça, em casos graves, pode evoluir para uma inflamação no coração.

A toxina da bactéria causadora do tétano compromete os músculos e leva a espasmos involuntários. A musculatura respiratória é uma das mais comprometidas pelo tétano. Se a doença não for tratada precocemente, pode haver uma parada respiratória devido ao comprometimento do diafragma, músculo responsável por boa parte da respiração, levando a morte. Ferir o pé com prego enferrujado que está no chão é uma das formas mais conhecidas do contágio do tétano.

A primeira parte da vacinação contra difteria e tétano é feita em três doses, com intervalo de dois meses. Geralmente, essas três doses são tomadas na infância. Então confira a sua carteira de vacinação para certificar-se se a vacinação está em ordem. Depois delas, o reforço deve ser feito a cada dez anos para que a imunização continue eficaz. É nesse momento que os adultos cometem um erro, deixando a vacina de lado.

Vacina Tríplice-viral para sarampo, caxumba e rubéola
Causado por um vírus, o sarampo é caracterizado por manchas vermelhas no corpo. A transmissão ocorre por via respiratória. De acordo com dados do Ministério da Saúde, a mortalidade entre crianças saudáveis é mínima, ficando abaixo de 0,2% dos casos. Nos adultos, essa doença é pouco observada, mas como a forma de contágio é simples, os adultos devem ser imunizados para proteger as crianças com quem convivem.

Conhecida por deixar o pescoço inchado, a caxumba também tem transmissão por via respiratória. Mesmo que seja mais comum em crianças, a caxumba apresenta casos mais graves em adultos, podendo causar meningite, encefalite, surdez, inflamação nos testículos ou dos ovários, e mais raramente no pâncreas.

"Faz parte da cultura dos brasileiros achar que vacinação é assunto de criança. Mesmo que esse quadro esteja mudando, os adultos ainda não tratam as vacinas com seriedade"
Já a rubéola é caracterizada pelo aumento dos gânglios do pescoço e por manchas avermelhadas na pele, é mais perigosa para gestantes. O vírus pode levar à síndrome da rubéola congênita, que prejudica a formação do bebê nos três primeiros meses de gravidez. A síndrome causa surdez, má-formação cardíaca, catarata e atraso no desenvolvimento.

O adulto deve tomar a tríplice-viral se ainda não tiver recebido as duas doses recomendadas para a imunização completa quando era criança e se tiver nascido depois de 1960. O Ministério da Saúde considera que as pessoas que nasceram antes dessa data já tiveram essas doenças e estão imunizados, ou já foram vacinados anteriormente.

Mesmo que todos com essas características devam ser vacinados, as mulheres que pretendem ter filhos, que não foram imunizadas ou nunca tiveram rubéola devem tomar a vacina um mês antes de engravidar, já que a rubéola é bastante perigosa quando acomete gestantes, podendo causar deformidade no feto.

Vacina contra a hepatite B

A Hepatite B é transmitida pelo sangue, e em geral não apresenta sintomas. Alguns pacientes se curam naturalmente sem mesmo perceber que tem a doença. Em outros, a doença pode se tornar crônica, levando a lesões do fígado que podem evoluir para a cirrose. "A imunização contra essa doença é importante, pois ela pode causar problemas sérios, como câncer no fígado", diz Paulo Olzon.

De acordo com o especialista, há algumas décadas, o tipo B da hepatite era o mais encontrado, já que ela pode ser transmitida através da relação íntima e as pessoas não tomavam cuidado com a prevenção de DSTs. Depois de uma campanha de vacinação e imunização, e da classificação da hepatite C pelos médicos, ela não pode ser vista como epidemia, mas ainda é preciso tomar cuidado com essa doença.

Até os 19 anos, todas as pessoas podem tomar a vacina contra hepatite B, gratuitamente, em qualquer posto de saúde. A aplicação da vacina também continua de graça, quando o adulto faz parte de um grupo de risco. "Pessoas que tenham contato com sangue, como profissionais de saúde, podólogos, manicures, tatuadores e bombeiros, ou que tenham relacionamentos íntimos com portador da doença são as mais expostas a essa doença", diz o especialista. Fora isso, qualquer adulto pode encontrar a vacina em clínicas particulares.

Pneumo 23 - Pneumonia
O pneumococo, bactéria que pode causar a pneumonia, entre outras doenças, pode atacar pessoas de todas as idades, principalmente indivíduos com mais de 60 anos. "Pessoas com essa idade não podem deixar de tomar a vacina pneumo 23", diz Paulo Olzon.

A pneumonia é o nome dado a inflamação nos pulmões causada por agentes infecciosos (bactérias, vírus, fungos e reações alérgicas). Entre os principais sintomas dessa inflamação dos pulmões, estão febre alta, suor intenso, calafrios, falta de ar, dor no peito e tosse com catarro. Adultos com doenças crônicas em órgãos como pulmão e coração -alvos mais fáceis para o pneumococo, devem tomar essa vacina sempre que há uma campanha de vacinação.

Mesmo que ela seja uma das vacinas mais importantes para ser tomadas é a única vacina do calendário que não é oferecida em postos de saúde. É preciso ir a um Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais, em locais como o Hospital das Clínicas e a Unifesp.

Vacina contra a febre amarela

A febre amarela é transmitida pelo mesmo mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti. A doença rem como principais sintomas febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (pele e olhos amarelados) e hemorragias. "Se a febre amarela não for tratada, pode levar a morte", explica o especialista.

Por ser uma doença grave, e com alto índice de mortalidade, todas as pessoas que moram em locais de risco devem tomar a vacina a cada dez anos, durante toda a vida. Quem for para uma dessas regiões precisa ser vacinado pelo menos dez dias antes da viagem. No Brasil, as áreas de risco são: zonas rurais no Norte e no Centro-Oeste do país e alguns municípios dos Estados do Maranhão, do Piauí, da Bahia, de Minas Gerais, de São Paulo, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Mesmo que os efeitos colaterais mais sérios sejam muito raros, a vacina contra febre amarela deve ficar restrita aqueles indivíduos que moram ou irão viajar para algum lugar de risco. "Nesse sentido, a preocupação dos médicos está relacionada ao risco de reação alérgica grave ou anafilática, que pode levar a morte os pacientes propensos", explica o infectologista Paulo Olzon.




Vacina contra o influenza (gripe)

A vacina contra gripe deve estar na rotina de quem está com mais de 60 anos. "Muitas pessoas deixam de tomá-la com medo da reação que ela pode causar. Mas isso é um mito, já que a suposta reação do corpo não tem nada a ver com a vacina, e sim com a própria gripe. Isso porque, o vírus da gripe fica semanas em nosso corpo sem se manifestar e a proteção da vacina não é imediata como as pessoas imaginam", diz o especialista.

A gripe é transmitida por via respiratória, leva a dores musculares e a febres altas. Seu ciclo costuma ser de uma semana. Pessoas com mais de 60 anos podem tomar a vacina nos postos de saúde, enquanto os mais jovens podem ser vacinados em clínicas particulares.

Vacina contra tétano (anti-tetânica)

A vacina antitetânica, aquela que previne o tétano deve ser reforçada a cada 10 anos.
Leia Mais ►

27.5.16

O que são superalimentos?

Neste post você vai descobrir o que são superalimentos, quantos existem e quais são eles.

O termo superalimentos surgiu em 2004 quando o Dr. Steven Pratt lançou o livro: "SuperAlimentos: Quatorze alimentos que mudarão sua vida."

Depois disso, o termo se popularizou e já existem outros alimentos que são considerados como "superalimentos", além dos 14 propostos pelo médico. Mas o que são superalimentos? Vamos conhecê-los!

O que são superalimentos?
O que são superalimentos?

O que são superalimentos?


Os superalimentos têm que estar prontamente disponíveis para o público
- Devem conter nutrientes capazes de aumentar a longevidade
- Os benefícios devem estar comprovados cientificamente


Leia também: "Salada de frutas maxi-nutritiva"

Quais são os superalimentos?


Segundo Pratt, a lista inclui 25 super alimentos:
  1. Salmão (eu, Renata Fraia, incluo sardinhas e atum)
  2. Brócolis (eu incluo a couve)
  3. Espinafre
  4. Chá verde (eu incluo o branco, o amarelo e o vermelho, variedades do mesmo chá)
  5. Maçã
  6. Abacate 
  7. Feijões (inclua lentilhas, soja, grão-de-bico)
  8. Blueberries (eu incluo a uva, o açaí e a chia)
  9. Canela 
  10. Chocolate amargo
  11. Frutas secas
  12. Azeite extra virgem
  13. Alho 
  14. Mel 
  15. Kiwi 
  16. Yogurt 
  17. Aveia 
  18. Cebola
  19. Laranja
  20. Romã 
  21. Abóbora 
  22. Soja 
  23. Tomates 
  24. Carne de Peru
  25. Nozes 
  26. Goji Berry




"Esses alimentos foram escolhidos porque contêm altas concentrações de nutrientes essenciais, bem como o fato de que muitos deles contêm baixas calorias", afirma. "Os alimentos que contêm esses nutrientes têm tido eficácia comprovada na ajuda a prevenir e, em alguns casos, reverter os efeitos conhecidos do envelhecimento, incluindo doenças cardiovasculares, diabetes tipo II, hipertensão e certos tipos de câncer." 
Fonte: CNN

o que são superalimentos
O que são superalimentos?

+ Artigos relacionados aos superalimentos:
-Dieta Atlântica como fazer
-Dieta do mediterrâneo para a saúde cardíaca
-Evite 40% do risco de câncer pela alimentação
-Alimentos que fazem bem ao coração
-Feijoada vegana-receita
-Dieta mediterrânea reduz mortalidade
-Óleo de abacate
-Alimentos que baixam o colesterol ruim
Leia Mais ►

Usar antibióticos em animais ameaça a saúde humana, saiba por que

Entenda por que usar antibióticos em animais em excessivo pode ameaçar a saúde humana.

Fazendeiros e criadores precisam de animais para alimentação humana precisam cortar drasticamente o uso de antibióticos em animais, porque essa atividade está se tornando uma ameaça à saúde humana, segundo um relatório publicado no periódico Review on Antimicrobial Resistance.

Usar antibióticos em animais ameaça a saúde humana, saiba por que
Usar antibióticos em animais ameaça a saúde humana, saiba por que

Muitas vezes o uso de antibióticos em animais é feito exclusivamente para fazer com que estes animais cresçam mais rápido. O resultado são bactérias cada vez mais resistentes a antibióticos. O uso abusivo destas substâncias tem feito com que algumas doenças sejam atualmente quase impossíveis de serem combatidas.

O relatório científico ainda indica novos parâmetros para o uso de antibióticos em animais.


► Leia também: Semana Mundial para o Bom Uso dos Antibióticos - OMS.

Era pós-antibióticos


A administração excessiva destes medicamentos na criação de animais ganharam novo destaque no mês passado, quando, na China, pesquisadores advertiram que estamos à beira de uma "era pós-antibióticos".

Os cientistas descobriram uma bactéria resistente à colistina, antibiótico usado quando outros meios usualmente empregados para combatê-la haviam falhado. Aparentemente, ela surgiu em animais criados por agricultores e também foi detectada em pacientes em hospitais.


► Leia também: Abuso de antibióticos leva ao aparecimento de superbactérias.

Como foi o estudo 


O economista Jim O'Neill, que liderou o estudo, disse que estes índices são "estarrecedores" e que 10 milhões de pessoas morrerão por causa de infecções resistentes a antibióticos em 2050 se esta tendência não for revertida.

O'Neill destaca em seu trabalho que a maioria das evidências científicas apontam para uma necessidade de redução do uso de antibióticos.





Níveis de antibióticos em animais ideal x praticado


Ele indica que uma meta razoável para o uso de antibióticos pela agricultura seria de 50 mg para cada 1 kg de animais - um nível já colocado em prática por um dos principais países exportadores de carne de porco do mundo, a Dinamarca.

A título de comparação, os Estados Unidos usam quase 200 mg/kg e Chipre emprega mais de 400 mg de antibiótico por quilograma de carne.

Fonte: BBC
Leia Mais ►

26.5.16

Esterco com antibiótico piora efeito estufa

Antibióticos aumentam emissão de metano do esterco de animais

Já é sabido que o gás metano contribui com o efeito estufa, o qual eleva a temperatura do planeta. Mas uma pesquisa revela que o uso de antibióticos em estercos podem liberar ainda mais metano, trazendo consequências para ambiental e saúde humana também.

Segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (25) na revista britânica de biologia Proceedings of the Royal Society B, o esterco do gado tratado com antibióticos, emitiam mais que o dobro de metano, um gás do efeito estufa, em comparação com as fezes de vacas e bois que não tinham sido tratadas com o medicamento.

Esterco com antibióticos pioram efeito estufa

A descoberta põe em evidência mais um perigo do uso rotineiro de antibióticos na pecuária, uma prática que já criou uma onda de resistência aos medicamentos nos seres humanos.

"Os antibióticos são amplamente utilizados na pecuária para promover o crescimento e para tratar ou prevenir doenças do gado, mas eles podem ter grandes consequências para a saúde humana e ambiental", afirmam os autores no estudo.

"Nós oferecemos a primeira demonstração de que os antibióticos podem aumentar as emissões de metano do esterco", acrescenta o artigo.

Como foi o estudo com as fezes do gado?


A equipe coletou fezes de dez vacas - cinco que tinham recebido durante três dias um antibiótico comum de amplo espectro chamado tetraciclina, e cinco que não tinham recebido nenhum remédio.

Posteriormente, eles dividiram o esterco em pedaços menores, que colocaram em baldes e levaram ao campo para medir e comparar os fluxos de gases emitidos, como o dióxido de carbono, o metano e o óxido nitroso.

Os pesquisadores observaram que o tratamento com antibióticos "aumentou consistentemente as emissões de metano" em até 1,8 vezes.

Pecuária é uma importante (e preocupante) fonte de gás metano 


A pecuária é responsável por cerca de um quinto das emissões de gases de efeito estufa no planeta. O metano retém o calor solar cerca de 20 vezes mais que o dióxido de carbono, o gás de efeito estufa presente em maior quantidade na atmosfera, e corresponde a 40% das emissões agrícolas. Ele é emitido em grande parte no arroto do gado.

O arroto do gado pode ser ainda pior que o esterco


Os pesquisadores estimam que os antibióticos podem alterar a atividade microbiana no intestino do gado. Isto sugere que os antibióticos podem estar aumentando também as emissões de metano nos arrotos, que são muito maiores que as emissões no esterco.

São necessários mais estudos para quantificar a contribuição do uso de antibióticos na pecuária para o aquecimento global, segundo os pesquisadores.

Antibióticos em carnes podem gerar resistência a antibióticos em humanos


O uso rotineiro de antibióticos em animais de criação em países como os Estados Unidos é responsabilizado por contribuir para o aumento da resistência aos medicamentos em seres humanos - transformando doenças que são facilmente tratáveis em doenças potencialmente mortais.

As bactérias que adoecem os seres humanos e os animais podem desenvolver resistência quando os medicamentos são ministrados sem necessidade, por períodos curtos demais ou em doses insuficientes.

Comentário Renata Fraia (Saúde com Ciência)

Este é apenas um dos motivos que me levam a comer menos carne a cada dia, substituindo a proteína animal pela vegetal. Cuidado! Se você pensa como eu, tenha em mente que cereais (inclusive o arroz) e grãos são alimentos proteicos e para bem aproveitá-los tenha uma alimentação variada. Para consumir mais cálcio? Aposte em brócolis e leite de soja.

Complemente sua leitura com o artigo: "Usar antibióticos em animais ameaça a saúde humana, saiba por que."


Leia Mais ►

25.5.16

O que é rinite?

Médico do AvalDoc explica o que é rinite e dá dicas sobre como controlar o problema.

Em algumas épocas do ano, a frase “tenho rinite” parece se aplicar a quase todas as pessoas.

Mas isso não é apenas uma sensação. O médico otorrinolaringologista Bruno Almeida Antunes Rossini afirma que a rinite é mesmo um problema muito comum, especialmente em cidades grandes - onde a população está exposta a poluentes - ou no campo, onde há muito pólen disperso no ar.


O que é rinite?

“A rinite é caracterizada por uma inflamação no nariz e pode piorar quando o tempo está frio ou seco, ocasião em que aumentam o número de substâncias particuladas no ar”, 

explica o especialista, que faz parte do AvalDoc – site que oferece o serviço de marcação de consultas em apenas alguns cliques, no endereço www.avaldoc.com.br.


Rossini afirma que a rinite pode ser alérgica ou viral
 “A rinite alérgica é a mais comum, mas a inflamação também pode ser ocasionada por medicamentos ou por toxicidade, como exposição a cheiros fortes”, diz. 

Ele completa que gripes e resfriados também podem causar rinite infecciosa causada por vírus.

O especialista também dá dicas para descobrir se a pessoa está mesmo com rinite.

Segundo ele, os sintomas mais comuns são coriza, obstrução nasal, coceira no nariz e espirros frequentes. “As rinites alérgicas não causam febre”, salienta. E, apesar disso, quem sofre com rinite sabe que o problema pode ser muito incômodo: segundo o médico, as crises podem durar meses.

Boa notícia – A boa notícia, diz Rossini, é que na maior parte das vezes a rinite tem controle. “Isso pode ser feito de maneira simples, com orientações ambientais de limpeza e tratamento medicamentoso”.

Ele recomenda que quem sofre com esse problema procure um médico otorrinolaringologista ou alergista.
 “Primeiro, fazemos um tratamento mais geral e, se não houver bons resultados, passamos para tratamentos específicos. Existem inclusive exames para detectar a que substância o paciente tem alergia. Mas, na grande parte das vezes, o tratamento geral funciona e a crise passa em alguns dias”.
Além de tratar a crise, é preciso realizar um tratamento de manutenção, que é um pouco mais longo, mas muito eficaz. E, se as orientações forem seguidas de maneira correta, é possível prevenir que a rinite seja desencadeada, o que gera uma grande melhora na qualidade de vida.

Confira abaixo as dicas do otorrinolaringologista Bruno Almeida Antunes Rossini para prevenir as crises de rinite:

Dicas para prevenir a rinite


- Mantenha o ambiente sempre arejado e ensolarado: deixe o sol entrar;
- Na hora de fazer a limpeza, evite o uso de vassouras, que levantam as partículas do chão;
- Use sempre um rodo e panos úmidos com água para limpar o chão;
- Coloque colchões, travesseiros e cobertores no sol sempre que possível;
- Utilize em colchões e cobertores capas com tratamento antialérgico;
- Evite contato com irritantes nasais: poeira, mofo, pelos de animais, fumaça de cigarro.

Leia Mais ►

24.5.16

Hipnose para Dormir (insônia) funciona mesmo?

Vivemos em um período em que seja no trabalho, ou na vida pessoal, as pessoas estão sempre conectadas. E quando colocam a cabeça no travesseiro, ficam sem sono.

Mas quais são as maneiras de reverter esse quadro e dormir melhor? Será que a hipnose para insônia funciona? As respostas estão a seguir...

Problemas que a insônia causa


A insônia (passar várias horas sem dormir) pode gerar vários problemas, como:
  • distúrbio de memória e concentração, 
  • ansiedade, 
  • depressão,
  • irritabilidade, 
  • sentimento de insatisfação constante, 
  • baixo rendimento profissional, 
  • prejuízo do convívio social.

Hipnose para Dormir (insônia) funciona mesmo?
Hipnose para Dormir (insônia) funciona mesmo? / Foto: Saúde com Ciência©

Para o professor especialista em hipnose, hipnoterapeuta, presidente e fundador da Rede Clínica da Hipnose, Alessandro Baitello, há duas formas de se tratar a insônia com a hipnose clínica.

►► Leia também: Hipnose como meio para emagrecer

Como funciona a hipnose para dormir?


1. “A primeira é buscando a causa, que pode ser um transtorno de algo que aconteceu e ficou guardado na mente inconsciente dessa pessoa, algo que se passou enquanto ela estava dormindo e para não acontecer de novo a pessoa resiste em dormir. Ou até uma preocupação tão grande que, mesmo com sono, ela simplesmente não consegue dormir.

2. A segunda é fazendo uma programação mental para que quando a pessoa se deitar se ‘desligue’ do mundo e entre em um sono profundo”. O tratamento contra a insônia usando a hipnose clínica é simples e bem rápido.

“Em 5 sessões com duração de uma hora a cada semana, conseguimos chegar ao problema e fazer o que chamamos de uma ‘troca de cena’ ou ‘ressignificação’. Que nada mais é do que contar uma outra história para o inconsciente fazendo com que ocorra o destravamento do trauma na vida dessa pessoa.

No caso da insônia a pessoa conseguirá voltar a dormir bem e ter uma melhor qualidade de vida”, explica o especialista em hipnose.

►► Leia também: Hipnose no dentista.

Baitello conta ainda que a Rede Clínica da Hipnose está atenta a tranquilidade da pessoa. “Costumo dizer que somos profissionais do bem-estar. A Rede Clínica da Hipnose é toda voltada para trazer de volta às pessoas a qualidade de vida perdida. A hipnose não tem contra indicação e não tem perigo nenhum”, finaliza.

Fonte: Rede Clínica da Hipnose
Leia Mais ►

Depressão: Tratamento natural

Como tratar a depressão de forma natural (sem remédios) é possível e vou explicar por que e como tratar a depressão de forma natural.

Depressão: Tratamento natural


Primeiro é preciso saber que a depressão é uma doença, e não 'uma bobagem' ou 'frescura'. A frase 'nossa! ele tem tudo porque tem depressão?' é muito comum e ao meu ver demonstra total desconhecimento sobre o assunto. A depressão pode ser do tipo endógena, ou seja, a pessoa pode ter todos os motivos do mundo para se sentir bem e sem tristeza, mas não consegue. Elas são assim porque há em seus cérebros uma diminuição de uma substância chamada serotonina que é responsável por equilibrar o humor e o sono nas pessoas.

Imagine você que está lendo isso e não tem depressão. Saiba que os níveis da serotonina estão normais no seu cérebro. Já nas pessoas com depressão severa é muito provável que os níveis da serotonina estejam abaixo do ideal. Então, a pessoa fica de mau humor, triste com mais facilidade e sem sono. Isso é fisiológico, gente!

Depressão Tratamento natural


Quando tratar a depressão de forma natural funciona

Se a depressão for endógena. Ou seja, se ocorrer o caso acima. Se a pessoa "tem de tudo" como falam alguns, se a pessoa for feliz no amor (de todos os tipos) e na sorte. E se além disso, a pessoa pratica exercícios regularmente - pois libera endorfinas no corpo, que dá a sensação de bem-estar. Nestes casos tratar a depressão de forma natural funciona. [Mas lembre-se de que se a depressão for severa você poderá precisar de remédio para depressão e usar JUNTO a maneira natural de tratar a depressão]. Jamais interrompa seu medicamento por conta própria.

Mas se a pessoa passa por uma FASE DE DEPRESSÃO por algum fator específico como a perda de um ente querido, o término de um relacionamento, perda de emprego, etc. Neste caso os níveis de serotonina da pessoa tendem a ser normais (se ela já não era depressiva endógena). Assim, pode ser necessário um medicamento antidepressivo mesmo.

De qualquer forma, em qualquer dos casos a depressão tratamento natural pode funcionar.

Como tratar a depressão de maneira natural?

  1. Pratique exercícios físicos aeróbicos (danças, aeróbica, esteira, bicicleta ergométrica, etc.): por que funciona? Porque o corpo libera endorfinas que é o hormônio responsável pela sensação de prazer/bem-estar
  2. Consuma alimentos ricos em triptofano: é que dentro do organismo eles se transformam em serotonina (veja alimentos ricos em triptofano)
  3. Coma chocolate amargo com no mínimo 70% de cacau: Ele também promove a sensação de bem-estar. 2 'quadradinhos' por dia são suficiente
  4. Há estudos que mostram que o Ômega3 pode ser útil na depressão [de qualquer forma, os alimentos ricos na substância só fazem bem, certo?]
  5. Há algumas músicas específicas que aliviam a depressão (veja quais são elas)
  6. Ainda sobre músicas (efeito Mozart)
  7. Encontre um hobby: jardinagem, instrumentos musicais, cozinhar, artesanato, pintura, encontre algo de que goste e procure praticar.

IMPORTANTE!
Se a pessoa estiver com DEPRESSÃO SEVERA ela provavelmente estará de cama e nem ao menos terá a chance de ler este artigo e fazer algo por si mesma, nem tampouco vontade de praticar exercícios ou encontrar um hobby. O MELHOR PRA ELA é continuar com os medicamentos que o médico psiquiatra receitou, fazer psicoterapia e OUTRA pessoa adicionar os alimentos ricos em triptofano em sua dieta. Assim que ela apresentar uma melhora significativa mostre este post a ela. Okay?

Leia tudo o que já foi escrito sobre DEPRESSÃO.
Leia Mais ►

23.5.16

Apendicite: Sintomas, causas e tratamentos

Para entender o que é apendicite ou apendicite aguda, quais os sintomas da apendicite e as causas e tratamentos da doença faz-se oportuna a introdução abaixo:

Uma vez entendida a origem da palavra apendicite, fica fácil deduzir seu significado. Apendicite é a junção da palavra apêndice + ite. O sufixo "ite" significa inflamação, logo concluímos que...

>> Apendicite é a inflamação do apêndice. <<


Mas o que é apêndice?

Apêndice é um prolongamento de uma região que existe entre o intestino delgado e o intestino grosso chamada ceco. O apêndice mede cerca de 10 cm de comprimento, sua forma parece a de um verme (apêndice vermiforme), além de ter um fundo cego. Por muito tempo se acreditou que o apêndice não tinha uma função específica no intestino humano, mas hoje sabe-se que ele produz muco que ao ser liberado no intestino, se mistura às fezes facilitando o trânsito do bolo fecal, facilitando sua eliminação.


Apendicite, Sintomas


Os sintomas da apendicite podem incluir:
  • Inchaço no abdômen
  • Dor abdominal
  • Perda de apetite
  • Náusea
  • Vômito
  • Diarreia ou Constipação
  • Incapacidade eliminar os gases
  • Febre baixa

Nem sempre todos esses sintomas se apresentam ao mesmo tempo na pessoa com apendicite. Geralmente, a dor piora quando a pessoa se move, respira fundo, tosse ou espirra. Ao sentir esses sintomas deve-se procurar um médico imediatamente, pois a apendicite é considerada uma emergência médica hospitalar.

Se a pessoa demorar a procurar atendimento médico ou se o diagnóstico médico for incorreto, pode ocorrer a supuração da apendicite (a famosa apendicite supurada), que é quando a apendicite estoura podendo ocasionar peritonite e abscesso.

O que é Peritonite?


É a inflamação do peritônio é uma infecção que acontece quando as bactérias e outros conteúdos do apêndice saem para o a região abdominal. Essa inflamação pode ser localizada ou difusa. A peritonite é geralmente aguda e pode decorrer de infecção (apendicite) ou de processo não infeccioso. A peritonite requer em geral uma cirurgia de emergência.

O que é apendicite em abscesso? 


Neste caso, ocorre a formação de uma massa inchada preenchida com bactérias e fluidos.

Em poucos pacientes as complicações da apendicite podem ocasionar falha nos órgãos e morte. Nesse caso, o conteúdo inflamado e/ou infeccionado pode cair na corrente sanguínea e provocar inflamação, que, se se espalhar por todo o corpo configura-se a septicemia, o que pode levar a morte.

Apendicite, causas, ou apendicite aguda


A causa da apendicite está relacionada ao bloqueio no lúmen (espaço interior) do apêndice. Esse bloqueio leva ao aumento da pressão interna, prejudicando o fluxo sanguíneo e gerando inflamação. Se o bloqueio não for tratado, pode ocorrer gangrena e ruptura do apêndice. As fezes são em geral, quem causam esse bloqueio do apêndice e a deflagração dos sintomas de apendicite.

  • Infecções bacterianas e, às vezes, virais no trato gastrointestinal podem causar inchaço dos nódulos linfáticos, o que aperta o apêndice e causa obstrução.
  • Lesões traumáticas abdominais podem, em alguns casos, ocasionar apendicite.
  • Apendicite crônica. Obstruções recorrentes, que pode ocorrer com pessoas que se queixam de intestino preso e podem ficar com as fezes endurecidas. Um pedaço desse material pode se alojar bem na saída do apêndice, impedindo que seu muco seja liberado.
Leia Mais ►

Geração Y adia tratamento de saúde por causa do custo

Uma notícia daquelas que nos deixa muito triste, a geração Y não vai ao médico por causa do alto custo da consulta e dos tratamentos com medicamentos.

A Xerox entrevistou americanos sobre cuidados com a saúde e mostra semelhanças e diferenças entre as gerações quando se trata do consumo de serviços de cuidados com a saúde. O resultado mostra que a geração Y (também conhecida como Millennials), jovens com idades entre 18 e 34 anos são a geração mais consciente dos custos quando se trata de cuidados com a saúde.


A maioria dos entrevistados afirmou que o custo é a principal consideração ao selecionar um prestador de cuidados de saúde, e 50% contaram atrasar algum tratamento devido ao custo. Quando se trata da preocupação com o custo, 59% da geração X (idades 35-49) menciona esse como a principal consideração na escolha de um prestador de serviços de saúde, enquanto que apenas 42% dos Boomers (idades 50-68) e 39% dos integrantes da Greatest Generation (idade 69+) também ponderam o mesmo.

Com relação a atrasar o tratamento, 45% da geração X adota essa medida, e apenas 39% dos Boomers e 15% da Greatest Generation fazem o mesmo. O estudo, conduzido pela Y&R’s BAV Consulting para a Xerox, entrevistou 761 adultos norte-americanos que utilizam planos de saúde e são responsáveis pelas decisões de saúde de suas famílias.

"A mudança para o consumo em saúde é sobre nós", disse Connie Harvey, diretor de operações da Saúde Business Group da Xerox. "Estes dados mostram como os consumidores pesam o custo no processo de tomada de decisões de saúde. Uma visão crítica para orientar os contribuintes e prestadores de serviços de saúde ao olharem para a transição de valores baseados em modelos de cuidados."

Ajuda necessária —A pesquisa também analisou o que os consumidores precisam de seus provedores de cuidados de saúde para adotarem um estilo de vida mais saudável, uma prioridade para eles – revelou que os Millennials (geração Y) são os que mais precisam de ajuda (64%), seguido pela geração X (56%), aGreatest Generation (49%) e os Boomers (47%).

A pesquisa também constata: 

• Millennials (75%) e geração X (71%) estão mais interessados em ter acesso aos seus registros e históricos médicos em plataformas digitais, e isso permitirá que eles sejam mais conscientes sobre as decisões do estilo de vida que afetam sua saúde, contra 53% da Greatest Generation e 57% dosBoomers.

• A maioria dos entrevistados, em todas as gerações, querem que seus farmacêuticos, profissionais de saúde e companhias de seguros de saúde sejam mais conectados em relação à sua saúde, com 70% dos Millennials concordando, 69% da geração X, 54% dos Boomers e 59% da Greatest Generation. Mais informações sobre a pesquisa podem ser encontradas no relatório completo: "Uma transição enorme para os cuidados da Saúde."

Acredito que o artigo "Vitamina D é essencial para adolescentes" despertará seu interesse.

Fonte: Xerox Healthcare [https://goo.gl/BpSNU4]



Leia Mais ►

Artigos NOVOS: