25.3.09

Carne vermelha - males que o consumo excessivo provoca

Artigo atualizado em 16.03.2012 - Veja no final sobre a diminuição em 20% da expectativa de vida de quem come muita carne*.

Malefícios do consumo excessivo da carne vermelha


Sempre há gordura presente, mesmo na carne magra, portanto, não exagere no consumo da carne vermelha. Entre os males mais difundidos: câncer e hipertensão.

Cientistas americanos alertam para os males da carne vermelha


Um estudo publicado pela revista da associação médica americana revelou que o consumo, em excesso, deste tipo de carne está ligado ao aumento de mortes por câncer e doenças cardiovasculares.

carne vermelha faz mal
carne vermelha gorda Foto: Flickr

Durante a pesquisa, os estudiosos analisaram os dados de 500 mil americanos com idades entre 50 e 71 anos. Em dez anos de acompanhamento, mais de 47 mil homens e mais de 23 mil mulheres morreram.

O grupo que mais ingeriu carne vermelha foi o que apresentou maior incidência de morte. Os pesquisadores concluíram que 11% das mortes em homens e 16% em mulheres poderiam ter sido adiadas com a redução do consumo da carne vermelha.

"O ideal, segundo a Organização Mundial da Saúde, é comer apenas 300 gramas de carne vermelha por semana, ou seja 'dois ou três bifes' semanais".

Um estudo publicado no Jama (revista da Associação Médica Americana) mostra que o consumo de carne vermelha e carnes processadas provocam um maior número de mortes por câncer e problemas cardiovasculares.

Câncer 


Os riscos de câncer estão principalmente relacionados à forma de preparação de qualquer tipo de carne.

Sabe-se que, durante o cozimento em altas temperaturas, são formadas aminas heterocíclicas, substâncias reconhecidamente cancerígenas. As maiores temperaturas são atingidas ao grelhar na chapa e fritar com pouco óleo o alimento. Por esse motivo, indica-se a preparação no forno ou em um cozido.

Perigos do alcatrão do churrasco


O churrasco também traz perigo, ou seja muito churrasco faz mal. Durante a preparação, a fumaça do carvão libera alcatrão e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos, substâncias também cancerígenas. "A associação é feita principalmente com as carnes vermelhas, porque elas são preparadas mais frequentemente em churrasco ou na chapa", afirma Fábio Gomes, nutricionista do Inca (Instituto Nacional de Câncer).

Excesso de ferro


Outro mecanismo desencadeante de câncer seria o excesso de ferro no organismo, ocasionado pelo alto consumo de carne vermelha, importante fonte do mineral. Muito ferro pode causar danos oxidativos e agredir as células do intestino grosso, o que leva ao câncer.

Já as carnes processadas...


Como linguiças, charque e hambúrgueres e embutidos e defumados em geral, são conservadas com "nitritos e nitratos", substâncias, que, no estômago, são transformadas em nitrosaminas, que aumentam as chances de ocorrer um câncer no estômago e no intestino.

Quanto devemos comer de carne por semana?


A recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) é de que a ingestão de carne (excluindo frango e peixe) não ultrapasse os 300 g por semana.

Como a carne vermelha é boa fonte de ferro, é indicado aumentar o consumo de vegetais folhosos verde-escuros, também ricos no mineral e sempre consumí-los com aliementos ricos em vitamina C, que ajuda a aumentar a absorção desse mineral.

*Atualização*
Pesquisas recentes apontam que o excesso de carnes vermelhas diminuem em 20% a expectativa de vida. A quantidade máxima diária de carne consumida é de 70g por dia. Esta porcentagem e peso se traduzem em 1 bife pequeno magro por dia. Então, se você comer carne vermelha no almoço prefira frango sem pele ou peixe no jantar.
Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner