3.4.09

Acido borico usado indevidamente para chule

Ácido bórico em pó está sendo vendido irregularmente em farmácias e aplicado em receitas caseiras para chulé, cê-cê e outros odores provocados pelo suor.

O produto, que só pode ser vendido na forma líquida, possui ação bactericida e fungicida, mas pode causar irritações e feridas na pele.

Sem autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o ácido bórico em pó está sendo vendido irregularmente em farmácias e usado em receitas caseiras para combater a bromidrose, suor com mau cheiro que ocorre nas axilas e nos pés - conhecida por cê-cê e chulé.

Acido borico usado indevidamente para chule


O produto tem ação fungicida e bactericida, mas a Anvisa só permite sua venda na forma líquida (água boricada), na concentração de 3%.

O ácido bórico em pó só pode ser comercializado como inseticida e formicida, em embalagens porta-iscas (que não permitem o contato com o produto). A despeito disso, diversos fóruns de discussão na internet e em sites de relacionamento, como o Orkut, divulgam que banhar-se com o pó de ácido bórico, diluído em água, pode curar a bromidrose.

>>Bromidrose (cecê e chulé), o que é?

Tanto a Anvisa quanto dermatologistas alertam que a prática pode provocar irritações e feridas na pele."Não há estudos nem da eficácia nem da segurança. O uso [do pó de ácido bórico] é empírico, caseiro e, portanto, não é recomendado, porque pode ferir a pele", afirma a dermatologista Flávia Addor, da diretoria da SBD (Sociedade de Brasileira de Dermatologia).

Desde 2001, o uso do ácido bórico é vetado em produtos para crianças, como cremes, pomadas e talcos. Isso ocorreu porque foram constatadas algumas reações adversas decorrentes do uso, como intoxicações no organismo, hipotermia (diminuição da temperatura do corpo abaixo de 30C) e erupções cutâneas.

Água boricada


Segundo Ana Paula Gomes Meski, dermatologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, a água boricada costuma ser um boa aliada no combate à bromidrose porque "seca" os locais úmidos do corpo, que propiciam a proliferação de fungos e bactérias -a razão do mau cheiro. "Na virilha, por exemplo, passar a água boricada com algodão pode funcionar muito bem. Mas não há nenhuma indicação para o uso do pó. Pode ser perigoso."Para evitar a bromidrose, a dermatologista aconselha as pessoas a evitarem desodorantes que deixem resíduos na pele, como os roll-on ou em creme. "Com a transpiração, esses resíduos viram meio de cultura [de microorganismos]." Desodorantes com fórmulas manipuladas a pedido do médico também trazem bons resultados, segundo a especialista.

A bromidrose pode ter várias causas. O ambiente quente e úmido dentro dos sapatos, por exemplo, facilita e promove o crescimento bacteriano e fúngico na pele e unhas dos pés. O mau cheiro resulta da multiplicação desses organismos."A pessoa deve trocar de meia todo dia e, às vezes, até duas vezes por dia. O sapato também deve ser deixado em um local ventilado", orienta Meski.

>>Bromidrose (cecê e chulé), tratamentos

Quanto ao mau cheiro das axilas, uma dica da médica é que as pessoas lavem, à mão, blusas, camisas e camisetas. "Só lavar na máquina não resolve. Tem que esfregar com água e sabão. Senão, ao usar a roupa, o cheiro volta novamente."Para a dermatologista Flávia Addor, é preciso conhecer a causa da bromidrose para tratá-la corretamente. "Nem sempre o mesmo tratamento se aplica a todos os casos. Há mau cheiro causado por disfunção hormonal e uso de medicamentos, por exemplo."Segundo Addor, ainda há muito preconceito envolvendo o tema, o que afasta as pessoas dos consultórios médicos. "O paciente só procura o médico quando o mau cheiro incomoda muito o seu dia a dia. Do contrário, tenta resolver com receitas caseiras."
por Cláudia Collucci
fonte: Folha de são Paulo

Mais sobre o assunto:

>> Em abril de 2001 a Anvisa já havia determinado, por meio da RE 552 a proibição da presença do princípio ativo ácido bórico na composição de talcos, pomadas e cremes usados contra assaduras e brotoejas em crianças.

>> Uso medicamentoso do ácido bórico (H3BO3): Indicado como antisséptico por ter a função de impedir o crescimento de bactérias e fungos, pode ser substituído por iodo povidona, tintura de iodo ou álcool iodado.


>> Água boricada: É uma solução a 3% de ácido bórico, possui ação anti-séptica, atuando como antibacteriano e antifúngico. Uso externo em afecções da pele e oculares. Está proibida em muitos países. Seu uso deve se restringir à área externa, quando aplicada nos olhos, evitando o contato com o globo ocular.

No proximo domingo 05/04/09, o Fantastico irá exibir uma reportagem ensinando como acabar com o chulé.

Comentário www.saudecomciencia.com (ReFDG): Em muitos anos atuando em drogaria, por diversas vezes pessoas questionavam sobre o uso do ácido bórico. Sempre informei que o produto que o mesmo não devia ser usado nesses casos. Fica aí um recado a Farmacêuticos cujo papel é orientar os pacientes quanto ao uso de medicamentos e treinar os balconistas para um correto esclarecimento do paciente.
Renata de F. Guedes - Farmacêutica (CRF 23664) e Jornalista (MTB 55510)
Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Um comentário:

  1. o ácido bórico têm propriedades terapêuticas conhecidas. no entanto a nova cultura que nos querem impor, tratando as soluções baratas e acessíveis como tabu é impositiva pelos grandes laboratórios farmacêuticos. uma verdadeira "embromação" para nos manter reféns de seu desejo por lucros desenfreados. sua ganância está disseminada por toda a nossa sociedade, como se fôssemos escravos. acordem para a verdade. estudem e se informem antes de acreditar em notícias e informes pagos pelas grandes corporações.

    ResponderExcluir

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner