13.11.09

Leucemia: novos tratamentos desse e de outros tipos de câncer podem estar a caminho

Este artigo é um longo, mas as explicações são bem fáceis de entender. Você vai ler abaixo:

- Novos tratamentos para leucemia,
- Tipos de leucemia

O vídeo abaixo é de uma reportagem feita por Rodrigo Bocardi, que foi apresentada no Jornal Nacional (Globo) e trata de um assunto que interessa a todos, o combate ao câncer, mais especificamente os novos tratamentos para leucemia.



Cientistas de Boston anunciam uma descoberta promissora no tratamento de leucemia. A manipulação de uma proteína denominada notch e que foi injetada em ratos com leucemia... o resultado dessa experiência pode ser visto no vídeo acima do JN.


Os testes em humanos só devem começar em dois anos e a descoberta pode servir para tratar outros tipos de câncer além do câncer no sangue (leucemia) como o de ovário, pulmão, pâncreas e intestino.

Esse estudo abre portas para a manipulação de outras proteínas para combater outras doenças. A indústria farmacêutica agradece, pois novos medicamentos podem ser desenvolvidos e novas enfermidades combatidas.


Via: Globo Vídeos - JN

Um pouco sobre a doença leucemia...

Tipos de leucemia


Existem quatro tipos de leucemia: Leucemia Linfóide Aguda (LLA), Leucemia Linfóide Crônica (LLC), Leucemia Mielóide Aguda (LMA) e Leucemia Mielóide Crônica (LMC). Quando ocorre mais de um tipo de leucemia a denominação é Leucemia Bifenotípica (bi de dois tipos e fenotípica de dois fenótipos).

Entenda cada um desses tipos de forma clara e sem muitos termos científicos complicados:

Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

A também chamada de leucemia linfoblástica aguda, resulta em um dano genético adquirido no DNA, onde as células doentes substituem a medula óssea normal. Há crescimento incontrolável e acúmulo das células chamadas de linfoblastos que deixam de funcionar como células sanguíneas normais, levando a uma diminuição na produção de glóbulos vermelhos, plaquetas e glóbulos brancos na medula óssea.

Os sintomas da LLA são: diminuição na produção de glóbulos vermelhos, acarretando sinais de anemia, cansaço fácil, sonolência; diminuição na produção de plaquetas, que causa manchas roxas, pequenos pontos vermelhos sob a pele ou sangramentos prolongado em pequenos ferimentos; e diminuição na produção de glóbulos brancos, o que aumenta o risco de infecção.

Leucemia Linfóide Crônica (LLC)

A Leucemia Linfocítica Crônica é a forma mais comum de leucemia em adultos e resulta de uma lesão adquirida no DNA de uma única célula, um linfócito (glóbulo branco), na medula óssea. Caracteriza-se por um grande número de linfócitos maduros cancerosos e linfonodos (nódulos linfáticos) com tamanho aumentado.


Os sintomas da Leucemia Linfóide Crônica desenvolvem-se gradualmente. Pacientes apresentam mais cansaço e falta de ar durante as atividades físicas. Há perda de peso e, como ocorre diminuição da concentração e da atividade dos anticorpos, pode haver infecções. Muitos pacientes apresentam aumento dos gânglios (ínguas).


O sistema imune pode atuar de inadequadamente, reagindo e destruindo tecidos normais do corpo, que podem resultar na destruição de eritrócitos (glóbulo vermelho) e de plaquetas, inflamação dos vasos sanguíneos, inflamação das articulações e da glândula tireóide.


Leucemia Mielóide Aguda (LMA)

A leucemia mielóide aguda (LMA) é o resultado de uma alteração genética, células tornam-se cancerosas e substituem as normais na medula óssea, são liberadas na corrente sangüínea e transportadas a outros órgãos, afetando-os. Elas podem formar pequenos tumores na pele e podem causar meningite, anemia, insuficiência hepática e renal e lesões de outros órgãos.


Os sintomas são os mesmo causados pela Leucemia Linfóide Aguda. E também as células leucêmicas podem se alojar no líquido céfalo-raquiano causando dores de cabeça e vômitos.


Leucemia mielóide crônica (LMC)

É uma doença adquirida, onde as células doentes passam a ter maior sobrevida que os glóbulos brancos normais. A leucemia mielóide crônica permite o desenvolvimento de outras células normais, diferente do que ocorre na leucemia mielóide aguda, o que explica a progressão menos severa da doença.


A doença está associada a sintomas que se desenvolvem gradualmente. O paciente apresenta mal-estar, cansaço fácil e falta de fôlego durante atividade física. Podem apresentar palidez, desconforto no lado esquerdo do abdômen por causa do aumento do baço, suor excessivo, perda de peso e intolerância a temperaturas mais altas.


Leucemia Bifenotípica

Há ainda casos de leucemia mista que ocorre em aproximadamente 5% a 10% dos pacientes com leucemia aguda, onde há demonstração de duas linhagens diferentes nos blastos: a linhagem mielóide e a linhagem linfóide.


Fontes: Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (ABRALE)
    Instituto Nacional do Câncer (Inca)

Artigos relacionados...
Curcumina em cápsulas para tratar câncer?
Melanoma, pior tipo de câncer de pele.
Tomates: Benefícios e propriedades do licopeno no câncer
Grávidas podem transmitir células cancerosas ao feto
Herceptin no tratamento do câncer de mama
Homeopatia no câncer, Aids, tuberculose, ...
Como fazer o autoexame para diagnosticar precocemente o câncer de mama
Perigos da Radiação Solar
Atividade física vigorosa na prevenção do câncer
Obesidade pode dobrar casos de câncer
Tomate ROXO evita câncer
Antinflamatórios podem reduzir riscos de câncer de mama
Carne vermelha, consumo excessivo
Alho: Propriedades
Vit C pode antagonizar efeito de citotóxicos de drogas para câncer

Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner