16.9.10

Fitoterápicos têm que ter certificado da Anvisa

Um produto para ser considerado medicamento fitoterápico ou não tem que ter passado por inúmeros testes químicos, fisiológicos (em cobaias) e posteriormente na fase final, devem ser feitos testes clínicos em seres humanos, onde as pessoas são divididas em dois ou mais grupos.

Só então o medicamento pode ser colocado no mercado.


Isso vale para os medicamentos sintetizados em laboratório farmacêutico, para os fitoterápicos e todas as suas formas farmacêuticas, sejam elas cremes, xaropes, soluções, cápsulas, comprimidos ou pós.

Esses medicamentos após terem sua eficácia comprovada, determinações do efeitos colaterais e adversos e interações medicamentosas ou com alimentos eles devem receber o certificado da Anvisa para só então serem colocados no mercado.

Fazer uma fórmula em um laboratório por mais bem aparelhado que seja e "sair vendendo" e - pior - receitando por aí  NÃO PODE. A pessoa que faz isso está errando duas vezes. Quando não faz os testes requeridos e comprova sua eficácia com base em dados clínicos - não empíricos - e quando prescreve tais, como ditos por eles, 'remédios', pois está exercendo ilegalmente a medicina.

Da mesma forma que um médico não pode fabricar e vender um medicamento, pois ele não pode exercer as profissões de farmacêutico (quem produz e/ou vende) e médico (quem prescreve) ao mesmo tempo.

O vídeo abaixo do jornal hoje é bem esclarecedor. Não dá para ficar com dúvidas.

Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner