22.3.13

Água, direito fundamental - 22/03 - Dia Mundial da Água

Você sabia que a água é um direito fundamental, de caráter difuso?

A quantidade de água no mundo nunca mudou, o que mudou foi a qualidade e a disposição espacial da mesma, sendo o Brasil o país que apresenta maior quantidade de água doce em forma líquida no planeta. Portanto nós temos a OBRIGAÇÃO de preservá-la, e garantir a sua disponibilidade para as gerações futuras.



O homem vem a décadas devastando o planeta por meio do consumo exagerado dos recursos naturais (renováveis e não renováveis), ocasionando o “desaparecimento” de grande parte dos mesmos.

A água, mesmo sendo um bem renovável, é um exemplo de recurso natural que está sofrendo escassez, e o grande problema disso se deve principalmente pelo crescimento demográfico desordenado e o consumo excessivo da humanidade, como indústrias, atividades de pecuária, agricultura e mineração.
Água, direito fundamental - 22/03 - Dia Mundial da Água
Água, direito fundamental - 22/03 - Dia Mundial da Água

Com o crescimento populacional desde o século XX, a população mundial triplicou e o índice de consumo aumentou cerca de seis vezes, com isso profundas mudanças no método e nas tecnologias de produção de alimentos e bens de consumo acabaram afetando direta e indiretamente a disponibilidade de água por habitante.

Em todas as partes do mundo desde então, a quantidade de água utilizável vem reduzindo, e progressivamente sendo poluída pelo lançamento de esgotos domésticos, industriais, agrotóxicos e resíduos sólidos urbanos. As alterações dos ecossistemas também contribuem para reduzir a disponibilidade de água, como remoção da vegetação ciliar de rios, lagos e represas por exemplo.

Conforme dados do IBGE do ano 2000, o Brasil dispõe de aproximadamente 14% da água doce do planeta e dos 45 milhões de domicílios brasileiros, 35 milhões estão conectados à rede de distribuição de água (78%), sete milhões possuem poço ou nascente (15%) e três milhões possuem outras fontes de abastecimento de água (7%).

Isso se dá, pois a distribuição d’água é desigual e contraditória aos pólos populacionais. Cerca de 68% das águas brasileiras encontra-se na região Norte, onde vivem aproximadamente 7% da população. Já nas regiões Sudeste e Sul, onde se concentram 58% da população e a maioria da atividade econômica do país, tem-se apenas 13% dessa água, e são nessas regiões que se encontra um abastecimento inadequado ao consumo humano.

O abastecimento de água por meio de poços ou nascente é uma opção, no entanto, a água necessita de um tratamento prévio antes do consumo. Sem o tratamento adequado da água o consumidor corre riscos de saúde, pois há probabilidade da água subterrânea ou do córrego estar comprometida, por conta de resíduos, efluentes, fertilizantes, micro-organismo, herbicidas, entre outros.

Como parte da população não tem acesso à água canalizada e não realiza um tratamento adequando antes do consumo, aumenta-se o número de óbitos por conta de doenças de veiculação hídrica e falta de saneamento. De acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas), atualmente 1,2 bilhão de pessoas no mundo não têm acesso a água segura para consumo; 2,6 milhões não têm saneamento e a cada três segundos morre uma criança no mundo por problemas relacionados com a qualidade da água. Além disso, acredita-se que 80% de todas as doenças de origem hídrica e mais de um terço das mortes em países em desenvolvimento são causadas pelo consumo de água contaminada. (Prüss-Üstün et al., 2008).

Por conta de tantos impactos que a escassez de água potável pode gerar nas sociedades, é importante a conscientização da população a fim de promover a utilização racional da água na agricultura, industriais e residências, reduzindo assim o consumo indevido deste recurso.

Apesar do consumo de água residencial representar apenas 10% de todo o consumo de água, vale a pena evitar o desperdício e contribuir com o meio ambiente. O uso racional da água domiciliar não é nenhum bicho se sete cabeças, e cada um pode começar em sua própria casa reutilizando a água da chuva para regar as plantas; não lavando a calçadas por qualquer indício de sujeira,mas limpando-as com a vassoura quando possível; quando for lavar o carro substituir a mangueira por um balde com pano para retirar a sujeira do veículo; acumular roupas para lavar; utilizar torneiras com aerador; tomar banho com uma bacia no Box, e utilizar esta água para dar descargas, entre outros muitos outros hábitos que podem ajudar o planeta e o próprio ser humano !
Fonte: Caminho Certo Eco
Autor: Gabriela Muchon e Lucas Clemente

Referências:

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
Organização das Nações Unidas (ONU)
Prüss-Üstün A, Bos R, Gore F, Bartram J (2008). Safer water, better health: costs, benefits and sustainability of interventions to protect and promote health. World Health Organization, Geneva, 60 pp.

Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner