24.6.13

Dieta sem glúten: só com orientação de médico ou nutricionista

As pessoas que têm doença celíaca não podem comer alimentos com glúten. Por isso, alguns tipos de alimentos tem por obrigação afirmar na embalagem se as expressões: “contém glúten” ou “não contém glúten”. Uma moda recente que já chegou ao Brasil, eleva os produtos sem glúten ao status de “mais saudáveis” e a dieta sem glúten está sendo seguida por algumas  pessoas na dieta para emagrecer, mas ela só deve ser feita com aval de médico ou nutricionista.

Mas esta afirmação não é verdadeira para todos, assim, retirar o glúten da alimentação só pode ser realizado sob orientação médica. De acordo com estudo feita pela Mayo Clinic com a população americana, apenas 20% excluíram a substância da alimentação com orientação adequada.

Dieta sem glúten: só com orientação de médico ou nutricionista
dieta sem glúten/foto

A pesquisadora brasileira Fabíola Soares demonstrou – em laboratório, com camundongos – que o glúten diminui a utilização das reservas de gordura no organismo (por isso sua restrição está sendo feita por quem quer emagrecer), estimula a inflamação no intestino e age de forma a diminuir a tolerância à glicose, favorecendo a hiperglicemia (glicose elevada no sangue).

Embora os resultados das pesquisas sejam promissores, por enquanto a indicação de exclusão do glúten deve ser realizada somente para pessoas com a doença celíaca. Como nutricionista e pesquisadora, defendo que qualquer recomendação deve ser pautada somente naquilo que está comprovado pela ciência”, afirma Fabíola, professora doutora da Universidade Federal da Grande Dourados (MS).

Na dissertação “Efeitos de dieta isenta de glúten em modelo experimental de obesidade”, realizada em 2010 na Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Fabíola observou durante oito semanas as alterações físicas de dois grupos de camundongos: um com alimentação rica em glúten de trigo e outro cuja dieta não continha a proteína. O grupo que não ingeriu glúten teve ganho de peso corporal 11% menor, ganho de adiposidade (gordura abdominal) 32% menor, índice de glicose no sangue 24% menor e menor inflamação no tecido adiposo, o que ajuda a diminuir a concentração de glicose no sangue.

O glúten é uma proteína de baixo valor biológico, ou seja, não tem todos os aminoácidos que precisamos.

“Portanto, em princípio, sua retirada da dieta não apresenta risco para a saúde. No entanto, uma avaliação criteriosa deve ser realizada em indivíduos vegetarianos, por exemplo, que usam o trigo como uma de suas fontes de proteína”, ressalta Fabíola.

Aos obcecados pela perda de peso, a pesquisadora lembra: “a exclusão da substância com o propósito de prevenir o ganho de peso só deverá ser recomendada quando os estudos com humanos comprovarem seu benefício”, conclui a pesquisadora.
Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner