2.10.15

Abstinência ao álcool altera funções cerebrais, diz estudo

Um estudo desenvolvido pelo Laboratório de Neurobiologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp) indica que a abstinência ao álcool altera funções cerebrais aumenta a produção de receptores canabinóides em algumas regiões do cérebro, fato que altera o funcionamento de algumas áreas cerebrais que estão diretamente ligadas à dependência.

Hipótese foi observada em análise dos receptores canabinóides, responsáveis por regular a liberação de neurotransmissores, através da produção de substâncias semelhantes ao THC, componente da maconha.
Artigos relacionados
- Consumir álcool moderadamente aguça criatividade;
- álcool e crack são grandes problemas no país;
- Omega3 Combate o alcoolismo;
- Consumo "leve" de álcool na gravidez pode fazer bem;
- Bebida alcoólica melhora o aprendizado.

O nosso cérebro produz substâncias parecidas com o Tetrahidrocanabinol (THC), principal componente responsável pelos efeitos da maconha. Estas substâncias estão presentes em todos os vertebrados e regulam a liberação de vários neurotransmissores, tais como a Serotonina e a Dopamina, que estão relacionadas a transtornos psiquiátricos.

Abstinência ao álcool altera funções cerebrais

Os pesquisadores verificaram a quantidade de receptores canabinóides em camundongos sensíveis ou resistentes ao efeito crônico do álcool, e também se houve alterações nestes receptores durante a abstinência. A análise cerebral mostrou que apenas na ausência do álcool (mas não durante o seu uso crônico) houve um aumento dos receptores em regiões responsáveis pela aprendizagem, memória, emoções, motivação, tomada de decisão e estresse.




De acordo com Cassia Coelhoso, uma das autoras do estudo, isso ocorreu somente nos animais sensíveis ao efeito comportamental do álcool. “Além disso, uma nova dose de álcool reverteu totalmente os efeitos da abstinência sobre estes receptores”.

Estes resultados sugerem que o sistema endocanabinóide pode ser um importante alvo terapêutico para o alcoolismo, principalmente durante a fase de abstinência, caracterizada por altas taxas de recaídas. No entanto, a funcionalidade deste tratamento em humanos ainda requer estudos mais detalhados.
Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner