6.1.16

Inlyta (axitinibe): novo remédio para câncer nos rins

Inlyta (axitinibe) da Pfizer, é o novo medicamento da Pfizer para tratamento de câncer renal aprovado pela Anvisa

São Paulo — A Pfizer acaba de anunciar a aprovação do medicamento Inlyta (axitinibe) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A terapia, indicada para o tratamento de pacientes com carcinoma de células renais avançado (RCC, sigla em inglês para renal cell carcinoma), um tipo avançado de câncer de rim, está aprovada desde 2012 pelo Food and Drug Administration (FDA).

► Leia também: Verba para "pílula do câncer" é liberada por Ministério

Axitinibe é uma terapia oral e estudos clínicos realizados com o medicamento apresentaram resultados sólidos de superioridade em relação à terapia-padrão utilizada no estudo pivotal, o que o coloca como uma das principais opções de tratamento para os pacientes que não respondem mais a uma primeira linha de tratamento do câncer de rim metastático.

O medicamento inibe o crescimento de novos vasos sanguíneos que aumentam o tumor e favorecem a progressão.

"Novos medicamentos têm mudado a história do tratamento do câncer de rim. Antes, esta era uma doença praticamente sem opções terapêuticas. Hoje, o câncer de rim já pode ser considerado tratável, por meio de medicamentos que aumentam a sobrevida e melhoram a qualidade de vida", afirma Eurico Correia, diretor médico da Pfizer Brasil. 

Inlyta (axitinibe): novo remédio para câncer nos rins
Inlyta (axitinibe): novo remédio para câncer nos rins

A chegada do medicamento Inlyta ao mercado complementa o portfólio da Pfizer no Brasil para o tratamento de câncer renal, que já possui Sutent, desde 2006, e Torisel, desde 2010. Ambos os medicamentos pertencem à classe das terapias-alvo, que agem impedindo a multiplicação das células tumorais.

A Pfizer reafirma a importância de tratamentos inovadores que visam melhorar a vida de pessoas em todo o mundo. A companhia investe por ano aproximadamente US$ 7 bilhões em novos medicamentos, em áreas prioritárias como oncologia, neurociências, vacinas, inflamação, imunologia, além de doenças cardiometabólicas e genéticas.





O câncer de rim do tipo carcinoma —Tipo mais comum de câncer renal, o RCC avançado esteve historicamente entre os tumores mais resistentes ao tratamento. Dados do Globocan, um projeto da Organização Mundial da Saúde, apontam que, em 2012, 6.255 pessoas receberam o diagnóstico de câncer de rim no Brasil, sendo 3.761 homens e 2.494 mulheres.

► Leia também: Tomossíntese detecta câncer de pulmão, além do câncer de mama, diz estudo.

O câncer renal está entre os 10 tipos de tumores mais comuns em homens e mulheres. No geral, o risco de desenvolver a doença é cerca de 1 em 63 (1,6%). Esse risco é maior em homens do que em mulheres. | PR Newswire.
Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner