16.3.16

Amilopectina do trigo aumenta glicemia e pode causar diabetes

É do conhecimento de muitas pessoas, que o excesso de açúcar e demais alimentos repletos de glicose podem causar diabetes, mas há um componente presente no trigo, que também eleva a glicemia. Trata-se da AMILOPECTINA.

Amilopectina do trigo aumenta glicemia e pode causar diabetes

Continue lendo e entenda a relação entre amilase trigo e diabetes...


Segundo pesquisas, o trigo e seus derivados são repletos do açúcar amilopectina, que eleva a glicose no sangue ainda mais do que o próprio açúcar comum. Com o passar do tempo, essas elevações do açúcar sanguíneo levam à resistência à insulina que pode levar à obesidade ao diabetes tipo 2 e outras doenças.

"Aqui está um fato pouco conhecido que muitas vezes é encoberto pelas massivas campanhas de marketing de gigantes empresas alimentícias que querem que você acredite que o "trigo" é saudável para você..." porém, o trigo contém um tipo de carboidrato (que só ele contém) chamado amilopectina-A, que foi reconhecido - em alguns estudos - por sua elevação do pico do açúcar no sangue a níveis mais elevados do que o açúcar de mesa, mesmo puro

Na verdade, amilopectina-A (do trigo) aumenta o açúcar no sangue mais do que quase qualquer outra fonte de carboidratos na Terra com base em testes de resposta de açúcar no sangue.¹

Isto significa que os alimentos à base de trigo, como pães, biscoitos, cereais, bolos e outros produtos de panificação geralmente causam níveis muito altos de açúcar no sangue do que a maioria das outras fontes de carboidratos. Como você sabe, agora, quanto maior seja o seu nível médio de açúcar no sangue ao longo do tempo, mais AGEs são formados dentro do seu corpo, o que faz você envelhecer mais rápido.¹

Para o Presidente do Instituto Nacional de Estudos da Obesidade e Doenças Crônicas (INEODOC), o médico Patrick Rocha, a abordagem atual da medicina e nutrição para o diabético é muito problemática, pois foca no diagnóstico (exames) e no tratamento medicamentoso, e ignora os estudos e evidências científicas mais atuais. Segundo ele, o aspecto mais importante, tanto para a prevenção, quanto para o tratamento da doença é a alimentação.

"Pratica-se no Brasil uma alimentação de cinco décadas de atraso, com falta de orientação as pessoas sobre todos os aspectos que envolvem a saúde do diabético e pré-diabético, e não se trata apenas de medicamentos, mas também de uma educação alimentar. Muitos pacientes tem seus casos agravados, por falta de informação, o que os leva a aumentar cada vez mais a dosagem das medicações e a sofrer de diversas complicações", destaca Dr. Patrick Rocha.

Os primeiros passos para abandonar o consumo de trigo (por causa de problemas com o glúten e para evitar o diabetes tipo 2) e não é diabético, pode começar usando a tapioca (massa pronta para fazer) em vez de comer pães com trigo.




Depois, pode-se ir abandonando os demais alimentos feitos com farinha de trigo. Já existem massas feitas com farinha de arroz e está muito mais fácil encontrá-las nos mercados, já que a procura aumentou bastante.

Para aprender mais, leia tambémFrutas com baixo índice glicêmico

Autores deste texto: Patrick Rocha, médico (CRM-CE 8561) e Presidente do Instituto Nacional de Estudos da Obesidade e Doenças Crônicas (INEODOC) e farmacêutica Renata Fraia (CRF: 23664) e ¹: www.umaoutravisao.com.br
Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner