16.6.06

Exame de sangue no tratamento da depressão, entenda a pesquisa

Um exame de sangue poderá ajudar no tratamento contra depressão. Estudo apontou que pessoas que apresentam concentrações elevadas de dois marcadores biológicos têm mais resistência a antidepressivos comuns.

Um novo tipo de exame de sangue poderá mudar o tratamento contra um dos problemas que mais crescem no mundo e preocupa órgãos como a Organização Mundial da Saúde (OMS): a depressão.

Segundo um estudo recente, mais da metade dos pacientes diagnosticados com depressão não mostra resposta adequada aos antidepressivos chamados de primeira linha, e um terço deles é resistente a todos os medicamentos disponíveis.

O ARTIGO DIZ AINDA que pessoas deprimidas tendem a apresentar concentrações elevadas de dois marcadores, por isso os pesquisadores se concentraram em medi-los e detectá-los.


Exame de sangue para depressão - como foi o estudo


Liderado pela pesquisadora Annamaria Cattaneo, professora do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência do King's College de Londres, o estudo se concentrou em analisar dois marcadores biológicos que medem níveis de inflamação sanguínea e indicam como uma pessoa vai reagir a antidepressivos comuns.


Os resultados foram publicados nesta terça-feira na revista científica International Journal of Neuropsychopharmacology.

Como o exame de sangue ajudará na escolha do medicamento para depressão?


Annamaria pesquisama o tema há alguns anos e, em estudos anteriores, havia identificado que altos níveis de inflamação no sangue tinham relação com o resultado de antidepressivos tradicionalmente prescritos.

>>Leia também: Musicoterapia: Música estimula o bom-humor, diz estudo.

O teste publicado agora conseguiu identificar dois marcadores que predizem a resposta ao tratamento. No documento, a especialista e a equipe que participou da pesquisa apontam que, sabendo da resistência, os médicos poderão prescrever tratamentos menos comuns ou até fazer combinações de medicamentos.

Segundo a OMS, a depressão é uma das formas mais comuns de problemas mentais e atinge 350 milhões de pessoas em todo o mundo. Estima-se que, só no Brasil, 17 milhões de pessoas tenham o transtorno. De acordo com órgão, o problema custa US$ 1 trilhão à economia mundial a cada ano e, em 2020, deverá ser a doença mais incapacitante no mundo.

Espero que tenhas gostado do artigo. Sugiro a leitura do artigo:
"Depressão em crianças: tudo sobre depressão infantil"
.

Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner