30.8.17

Gordura faz BEM à saúde, diz novo estudo

Isso mesmo! Gordura faz bem para a saúde

Por muito tempo se acreditou que gordura saturada (seu excesso é algo quase impossível de se evitar) sempre faz mal a saúde. 
Tal afirmação categórica me causava estranheza, oras, nosso organismo usa a gordura saturada para fabricar hormônios, produzir as células de defesa do organismo e até para a formação da membrana celular de cada uma das células que compõem o nosso corpo.
Isso sempre me fez crer que precisávamos de, ao menos, uma pequena quantidade dessa gordura. 
FINALMENTE, minha crença (que para mim era óbvia) se confirmou em um novo estudo. Se você o ler no texto que se segue (e recomendo que o faça) perceberá que a conclusão parecia mesmo evidente. 
Coma a tal "gordura saturada", que até agora parecia vilã, mas com moderação! Ah! Tenha um cuidado especial com a manteiga... riquíssima na gordura má... pero no mucho!


Um estudo recentíssimo, publicado nesta terça-feira (29/08) no periódico científico The Lancet, o consumo de gorduras (35% das calorias diárias), está associado a uma maior expectativa de vida. Até agora, esse valor era de 30%.

Para os pesquisadores, esses 5% a mais do que os 30% de calorias diárias recomendadas pelas normas internacionais desde a década de 1980 pode, pasme!, diminuir o risco de morte por doenças cardiovasculares em cerca de 23%.

Eles ainda constataram que o alto consumo de carboidratos – ou seja, mais de 60% das calorias diárias – eleva esse risco.

No estudo, os pesquisadores das universidades canadenses "McMaster e da Hamilton Health Sciences", analisaram a alimentação de 135 mil pessoas em todos os continentes. Cerca de 61% de carboidratos, 23% de gordura e 15% de proteína compunham a dieta do participantes.

Resultados dos estudos que mostram que gordura faz bem à saúde


Os resultados mostraram que uma dieta que inclui até 35% de gorduras totais incluindo saturada, poli-insaturada e monoinsaturada – a mais saudável de todas – reduz o risco de morte prematura em até 23%. Altos níveis de ingestão de gordura saturada, normalmente considerada prejudicial à saúde, diminuiu esse risco em 13%.

Valor de gordura saturada considerada excessiva 


Mas atenção! Não corra para o açougue comprar quilos de contra filé e bacon, hein? Isso porque, ao ultrapassar 5% do indicado pelos especialistas – a ingestão de gordura saturada é associada, sim, a uma taxa maior de doenças cardiovasculares e mortalidade, por elevar o colesterol ruim (LDL) em até 10 miligramas por decilitro de sangue.

A Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda, baseada em estudos mais recentes sobre o assunto, que 35% das calorias diárias, seja de gordura (antes era 30%). Mas é muito importante que esse consumo seja dividido entre os 3 tipos principais de gordura. Confira!


  • Gorduras poli-insaturadas: de 11% passou para 10%;
  • Gorduras monoinsaturadas (a gordura MUITO boa): de 12% para 15%;
  • Gorduras saturadas: subiu de 7% para 10% ao dia*.


*10% dos 35% das calorias diárias de gordura.

Consumo adequado de manteiga


Os alimentos possuem diferentes composições de gordura. O mais rico em gordura monoinsaturada (a boa lembra?) mais presente na mesa é o azeite de oliva.

Já o alimento mais rico em gorduras saturadas é a manteiga com 49,2% de gordura saturada em seu total de 74% do nutriente.

Saiba fazer suas escolhas, hein?

Fontes:
1. The Lancet: http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(17)32252-3/fulltext?elsca1=tlxpr;
2. Sociedade Brasileira de Cardiologia http://www.guiagphr.com.br/dicasDetalhe.asp?iid=5435

Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner