21.8.17

Da OMS: notificada transmissão sexual e por pernilongo comum do vírus zika

OPAS/OMS: 5 países notificaram transmissão sexual e por pernilongo comum do vírus zika nas Américas

Nas Américas, 48 países e territórios notificaram casos de transmissão autóctone (dentro do território nacional) do zika vírus por mosquitos e cinco relataram transmissão sexual do vírus (Argentina, Chile, Canadá, Estados Unidos e Peru), desde 2015.

O panorama foi apresentado pelo representante da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, Joaquín Molina, durante o lançamento do relatório “Avaliação do Impacto Socioeconômico do Vírus Zika na América Latina e Caribe: Brasil, Colômbia e Suriname como estudos de caso”.

O documento foi elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC), com a colaboração do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal), da Universidade Johns Hopkins (JHU) e do Ministério da Saúde do Brasil.

Durante o evento, Molina também mencionou que há uma tendência de redução nos casos de zika nas Américas do final de 2016 a meados de 2017.

“Há várias possíveis explicações para isso. Mas identificamos dois motivos principais. Primeiro, é que à medida que a população é infectada pelo zika passamos a ter menos pessoas suscetíveis ao vírus. A segunda são os fatores sazonais e as medidas de controle vetorial adotadas”.

De maio de 2015 a dezembro de 2016, foram relatados mais de 710 mil casos de zika nas Américas, dos quais 177,5 mil (25%) confirmados, embora se saiba que a quantidade é maior, uma vez que há casos assintomáticos e subnotificação (seja porque as pessoas não chegam a procurar um serviço de saúde ou porque o diagnóstico não tenha sido preciso).

O representante da OPAS/OMS no Brasil citou ainda que 29 países e territórios em todo o mundo notificaram, até maio deste ano, 2.656 casos de síndrome congênita do vírus zika, sendo 2.366 registrados no território brasileiro.

Atualmente, sabe-se que a microcefalia é apenas uma das possíveis complicações causadas por esse vírus. Evidências científicas têm apontado para uma ampla gama de efeitos sobre bebês nascidos de mulheres infectadas.

Por isso, a OPAS/OMS lidera um processo de recolhimento e avaliação de mais provas para definir claramente o espectro dos efeitos, entre eles a desproporção craniofacial (defeitos estruturais da cabeça devido ao desenvolvimento anormal do feto), a espasticidade (rigidez dos músculos que afetam o movimento), convulsões, irritabilidade, dificuldades de alimentação e problemas de visão e audição.

Resposta


A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) trabalha em estreita colaboração com governos e instituições de pesquisa, reunindo especialistas de todo o Brasil e do mundo para compartilhar conhecimentos e produzir orientações para profissionais de saúde, tomadores de decisão e público em geral.

Com o objetivo de ajudar o país na resposta ao vírus zika e suas consequências, a Representação da OPAS/OMS no Brasil rapidamente adquiriu no início do surto de microcefalia insumos estratégicos, como reagentes de laboratório, inseticidas e kits de diagnóstico. Também auxiliou no desenvolvimento da metodologia e critérios para a definição de casos de microcefalia e técnicas laboratoriais de diagnóstico da doença, detecção de novos casos e fortalecimento da vigilância integrada de chikungunya, dengue e zika.

Para encontrar novas formas de enfrentar o zika vírus e suas consequências, a OPAS/OMS está ajudando a desenvolver estratégias de controle da propagação do zika, como o uso da bactéria Wolbachia para torná-los incapazes de transmitir o vírus e a expansão de uma estratégia de disseminação de inseticidas por mosquitos. Além disso, cria uma série de guias, voltados a profissionais de saúde, com as melhores práticas para ofertar cuidados de qualidade a famílias e bebês com síndrome congênita do vírus zika.

Além disso, a OPAS/OMS faz parte do Microcephaly Epidemic Research Group (MERG), um grupo de especialistas que está desenvolvendo um importantíssimo projeto, o estudo caso-controle. Os resultados preliminares dessa pesquisa já mostraram que há uma forte associação entre a microcefalia e a confirmação laboratorial de infecção pelo vírus zika. Neste momento, os pesquisadores estão buscando identificar outros potenciais fatores de risco para o aparecimento da Síndrome Congênita do Zika.

Estratégia para prevenção


A estratégia da OPAS/OMS para prevenção e controle das doenças arbovirais (CD55/16) tem como foco:

  • Fortalecer os serviços de saúde em relação as suas capacidades de diagnóstico diferencial e manejo clínico de arboviroses;
  • Promover um enfoque integrado para prevenção e controle das arboviroses;
  • Avaliar e fortalecer a capacidade nos países para vigilância e controle integrados dos vetores
  • Estabelecer e fortalecer a capacidade técnica da Rede de Laboratórios de Diagnóstico de Arbovírus na Região das Américas (RELDA)


Recomendo a leitura do artigo complementar:  Da OMS: vírus Zika encontrado nos fluidos corporais gera estudo ZiBra

Fonte/Créditos: OPAS/OMS (http://www.paho.org)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner