15.9.17

Imagens do cérebro revelam por que o vício em cocaína é tão difícil de tratar

Pessoas viciadas em cocaína geralmente acham que a droga é muito menos agradável após anos de uso, mas ainda assim elas têm grande dificuldade em abandonar. Um novo estudo de imagens do cérebro mostra as prováveis razões para isso e também porque a terapia baseada em extinção total da droga pode não ser eficaz para usuários de cocaína.

Imagens do cérebro revelam por que o vício em cocaína é tão difícil de "curar"
sammisreachers

O estudo, liderado por pesquisadores da Icahn School of Medicine no Monte Sinai, em Nova York, descobriu que, em pessoas que usam cocaína por muito tempo há comprometimento global no córtex pré-frontal ventromedial (VMPFC), uma área do cérebro que está ligada aos impulsos e ao autocontrole.

"Os dados do estudo sugerem que será difícil para esses usuários de cocaína desaprenderem o que que a sensação já foi uma experiência positiva, e agora não é mais."

"Existe um forte impulso para realizar a terapia baseada na extinção no vício, mas nossos achados destacam as possíveis limitações dessas terapias existentes em sua dependência do VMPFC para obter benefícios terapêuticos", disse a pesquisadora Rita Z. Goldstein, PhD, diretora da Neuropsychoimaging do Monte Sinai do Programa de Dependências e Condições Relacionadas.

Como foi o estudo?


A pesquisa foi publicada em 5 de setembro na Addiction Biology.

Usando a ressonância magnética e um programa de condicionamento clássico em três fases, os pesquisadores examinaram as ligações neurais do aprendizado de extinção das drogas e associações de agradáveis ​​e o papel do córtex pré-frontal ventromedial (VMPFC) em 18 usuários de cocaína que não procuravam tratamento, e 15 indivíduos ​​sociodemograficamente saudáveis que não usaram drogas. O aprendizado de extinção é um processo pelo qual uma nova associação afetivamente neutra substitui uma associação antiga, afetiva e excitante.

Eles observaram que os usuários de cocaína de longo prazo tiveram problemas para formar e manter novas associações de estímulos que antes eram, embora não mais, preditivos de resultados relacionados a drogas e não relacionadas a drogas e que esse comprometimento foi mediado pelo córtex pré-frontal ventromedial.

Os sinais do VMPFC no grupo que utiliza cocaína não se assemelham aos do grupo controle. O aprendizado de extinção não envolveu o córtex pré-frontal ventromedial no mesmo grau, o que poderia resultar em falhas na aprendizagem de extinção, dizem os pesquisadores.

"Nossa visão sobre isso é que a terapia baseada em extinção (deixar de usar a droga completamente) provavelmente não será efetiva no vício da cocaína, de forma isolada ou em sua forma mais tradicional."

"No entanto, acreditamos que, se a terapia baseada em extinção for combinada com outros tratamentos ou com potenciadores cognitivos, ela poderia ter utilidade na dependência de cocaína. Além disso, formas modificadas da terapia que aproveitam a ciência por trás de métodos de extinção mais robustos também podem ser úteis. Mais pesquisas são claramente necessárias para testar essas abordagens adicionais ", concluíram.

O estudo foi apoiado pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas. Os autores não relatam relações financeiras relevantes.

Addiction Biol. Publicado on-line em 5 de setembro de 2017.

Fonte: Medscape Pharmacists


Ads
Conteúdo do Saúde com Ciência é informativo/educativo. Não exclui consulta médica Este artigo pertence ao Saúde com Ciência. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe comentário/sugestão de artigo. Ler Regras para Comentários.

Assine nossa newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner