11.3.17

Dar remédio de humano a cães e gatos

Medicar os animais domésticos por conta própria com remédios de humanos, ao invés de auxiliar no tratamento, pode causar intoxicação, alergias e levar o animal a óbito

Ao se deparar com o animal de estimação com algum problema de saúde, muitos donos, ao invés de levar o animal para se consultar com um médico veterinário, preferem usar a própria experiência e por conta própria fazem o uso de medicações humanas, podendo causar danos irreversíveis ao seu cão ou gato.

Muitos medicamentos para consumo humano, que são vendidos livremente em farmácias, podem causar nos cães e gatos intoxicação, alergia e até mesmo causar a morte do animal.

"Alguns medicamentos que são fabricados para humanos podem ser utilizados em animais e são receitados por veterinários, mas o dono precisa se atentar a dosagem indicada pelo profissional, ou também causará problemas para a saúde do animal.
O indicado para evitar qualquer risco de piorar o quadro de saúde do animal ou até mesmo causar a morte dele é sempre evitar a medicação sem prescrição e qualquer alteração o animal precisa ser consultado por um veterinário, que &e acute; a pessoa indicada para diagnosticar o problema e indicar o tratamento adequado", 

Diz a veterinária Dra. Valéria Correa, responsável técnica e gestora clínica do Grupo Pet Center Marginal.

>> Leia mais sobre saúde animal!

O sistema digestivo de cães e gatos, apesar de muito semelhante ao do humano, não funciona da mesma forma. Os órgãos do sistema digestivo dos animais não têm a capacidade de absorver e sintetizar os medicamentos frequentemente utilizados por humanos, como alguns tipos de anti-inflamatórios e analgésicos.


O analgésico Paracetamol, princípio ativo de diversas marcas de remédios conhecidos, causa lesão no fígado de cães e pode ser fatal para gatos. causando anemia hemolítica, lesões hepáticas, diarréia, vômito, necrose renal, entre outros problemas. "Mesmo entre os animais é preciso respeitar as diferenças. Um medicamento que é utilizado com sucesso em cachorros nem sempre é indicado para gatos, que são mais sensíveis", ressalta Dra. Valéria.

Os anti-inflamatórios que têm como base diclofenaco sódico causa graves sintomas gastrointestinais nos animais, inclusive desenvolvendo úlceras perfurantes de estômago e duodeno.

"Muitas vezes o problema inicial, que motivou o dono a dar a medicação, acaba ficando secundário, pois as consequências de dar uma medicação errada são bem graves. No caso dos anti-inflamatórios, geralmente os animais começam a apresentar vômitos, diarréia ou fezes escuras, com presença de sangue, além de apatia e muita dor abdominal", conclui Dra. Valéria.


Ácido acetilsalicílico

Base de medicamentos como Aspirina®, AAS®, Doril® e Melhoral®, é um anti-inflamatório extremamente tóxico para gatos, devido a deficiência de uma enzima hepática no animal que faria a metabolização e eliminação do composto. Seu uso é contra-indicado para gatos ou só pode ser utilizado de acordo com indicação e supervisão de um médico veterinário.


Diclofenaco


Muito utilizado por humanos no tratamento de dor e inflamações, o diclofenaco é a base de medicamentos como Cataflan® e o Voltaren®. Em cães e gatos pode ocasionar diversos problemas como úlceras hemorrágicas com vômitos e diarréia com sangue, além de insuficiência renal.


Paracetamol


Analgésico presente em produtos como Tylenol®, pode ser fatal para gatos, pois seus organismo não consegue eliminar o medicamento. Pode causar intoxicação em cães e gatos, resultando em falta de ar, vômitos e aumento na salivação, podendo entrar em coma.
Leia Mais ►

13.1.10

Paracetamol deve ser evitado após vacina em crianças


Segundo dados recentes da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, o uso indiscriminado de paracetamol (cujo nome comercial mais conhecido é o tylenol).

Para entender... Evite dar paracetamol a seu filho sempre que vaciná-lo como preventivo de febre a não ser que ele tenha histórico de convulsões e se a criança apresentar febre superior a 39,5 °C.
Leia Mais ►

1.1.10

Paracetamol (acetaminofeno ou acetaminophen)

O acetaminofeno ou 'paracetamol' como é mais conhecido no Brasil é um medicamento com propriedades farmacológicas antipiréticas (baixa a febre) e analgésicas (alivia a dor) e sua síntese data do ano de 1893.

Conheça a ação, as indicações, a posologia e todas as informações sobre este medicamento e de forma descomplicada!

Paracetamol (acetaminofeno ou acetaminophen)


fórmula estrutural do paracetamol
fórmula estrutural do paracetamol



-Ação do paracetamol

(propriedades farmacológicas do medicamento)

O paracetamol é antipirético ou antitérmico (baixa a febre) e analgésico (alivia dores leves e moderadas).


-Indicações do paracetamol

O paracetamol é indicado em casos de febre leve a alta e dores de leve a moderada em geral.


- Posologia do paracetamol


Solução pediátrica oral:

A dose pediátrica de paracetamol varia de 10 a 15 mg/kg/dose, com intervalos de 4-6 horas entre cada administração. As doses podem ser repetidas a cada 4 horas. Não se deve exceder 5 administrações, em doses fracionadas, em um período de 24 horas (1 dia).


Comprimidos:

Adultos e crianças acima de 12 anos: 500mg ou 750mg VO, de 3 a 4 vezes ao dia. Não ultrapassar 4g/dia.


Gotas:

1gota por Kg de peso, por dose ( uma criança com 10 Kg deverá tomar 10 gotas), até o limite de 35 gotas por dose. Essa administração pode ser repetida 4 a 5 vezes por dia, com intervalos de 4 a 6 horas não devendo ultrapassar 5 administrações nas 24 horas.


- Efeitos colaterais do paracetamol


Anemia hemolítica, agranulocitose, neutropenia, leucopenia, pancitopenia, trombocitopenia, erupções cutâneas, urticária, angioedema, eritema pigmentar e choque anafilático.

O uso abusivo e prolongado pode resultar em pancreatites, nefropatias e insuficiência hepática.

- Super dosagem de paracetamol (overdose)

Dois antídotos podem ser utilizados: metionina (ingestão oral) e acetilcisteína (aplicação intravenosa). Monitoramento da função hepática.

- Interações medicamentosas do paracetamol


  • Aumento da toxicidade hepática quando associado com barbitúricos, carbamazepina, hidantoína, sulfimpirazona zidovudina, ingestão crônica e excessiva de álcool.
  • O paracetamol potencializa o efeito de anticoagulantes cumarínicos.
  • Rifampicina diminui o efeito analgésico do paracetamol.



    Leia Mais ►

    Assine nossa newsletter

    Enter your email address:

    Delivered by FeedBurner