The Lancet: Tratamento com dexametasona para a síndrome do desconforto respiratório (SRDA)

Estudo controlado multicêntrico e randomizado: dexametasona para a síndrome do desconforto respiratório (SRDA)

Dexametasona para a síndrome do desconforto respiratório (SRDA)

Até agora não existe tratamento farmacológico específico comprovado para pacientes com síndrome do desconforto respiratória aguda (SDRA). A eficácia dos corticosteróides na SDRA permanece controversa. Nosso objetivo foi avaliar os efeitos da dexametasona na síndrome do desconforto respiratório — doença que pode causar inflamação pulmonar e sistêmica e resultar em uma diminuição no tempo de ventilação mecânica e, assim, mortalidade.

O estudo com dexametasona para síndrome do desconforto respiratório (SRDA)

Um ensaio clínico randomizado e multicêntrico em uma rede de 17 unidades de terapia intensiva (UTIs) em hospitais de ensino em toda a Espanha em pacientes com SDRA moderada a grave estabelecida (definida por uma razão da pressão parcial de oxigênio arterial pela fração de oxigênio de 200 mm Hg ou menos avaliado com pressão expiratória final positiva de 10 cm H 2 O ou mais e FiO 2 de 0,5 ou mais às 24 horas após o início da SDRA).

Foram excluídos pacientes com morte encefálica, doença em estágio terminal ou fazendo uso de corticosteroides ou imunossupressores. Os pacientes elegíveis foram divididos aleatoriamente com base em tarefas de tratamento balanceadas com uma sequência de alocação aleatória computadorizada usando blocos de 10 envelopes opacos e selados para receber tratamento imediato com dexametasona ou terapia intensiva de rotina continuada (grupo controle).

Os pacientes do grupo de dexametasona receberam uma dose intravenosa de 20 mg uma vez ao dia do dia 1 ao dia 5, que foi reduzida para 10 mg uma vez ao dia do dia 6 ao dia 10. Os pacientes de ambos os grupos foram ventilados com ventilação mecânica de proteção pulmonar.

O desfecho primário foi: o número de dias sem ventilação aos 28 dias, definido como o número de dias vivos e livres de ventilação mecânica do dia da randomização para o dia 28. O desfecho secundário foi a mortalidade por todas as causas 60 dias após a randomização. Todas as análises foram feitas de acordo com o princípio da intenção de tratar.

Resultados do estudo com dexametasona para SDRA

O número médio de dias sem ventilação foi maior no grupo que recebia dexametasona do que no grupo controle (diferença entre os grupos de 4 a 8 dias).

A administração precoce de dexametasona pode reduzir a duração da ventilação mecânica e a mortalidade geral em pacientes com SDRA moderada a grave estabelecida.

Para mim, escrever sobre saúde é necessidade fisiológica. Amo o que faço porque faz parte de mim." (Renata Fraia - farmacêutica e jornalista)

Comentários