Postagens

Mostrando postagens com o rótulo alimentos validade

Validade dos alimentos: O que devemos saber

Imagem
A validade dos alimentos é definida sob critérios científicos; não é mágica ou escudo de proteção", diz o professor do curso de engenharia dos alimentos do Instituto Mauá de Tecnologia, Edison Tríboli. Por isso, é fundamental que o consumidor observe o prazo que está no rótulo e que siga as recomendações do fabricante. Confira abaixo a entrevista do especialista, na qual ele tira as dúvidas relacionadas ao prazo de validade de alimentos. Como é determinado o prazo de validade de um alimento? Cada alimento tem sua qualidade percebida, que é uma característica do produto que o identifica. Um biscoito, por exemplo, tem a característica de ser crocante; com o tempo, no entanto, ele absorve umidade e perde a crocância. O prazo de validade , então, é uma garantia que o fabricante dá de que o alimento se mantém nos padrões toleráveis de alteração (a indústria garante que o biscoito permanecerá crocante durante aquele período) e dentro das regras que tornam seguro o consumo. O n

Estudo (Harvard) mostra por que NUNCA se deve comer alimentos velhos como carne de animais velhos

Imagem
Quer viver mais e melhor? Um estudo recente revela por que os alimentos velhos poderiam encurtar a vida útil, inclusive com um dia de vencimento. Vamos entender por quê? Tal afirmação parece dramática, não? Mas os resultados são alarmantes e os investigadores na universidade de Harvard insistem que têm evidências concretas de que o alimento velho (legumes mofados e os industrializados vencidos) aceleram o envelhecimento das células do nosso corpo. Com relação às carnes, a idade do animal abatido também fez parte do estudo. A equipe, liderada por Vadim Gladyshev, observou, principalmente, a idade da carne quando foi abatida -- por exemplo, carne de veado de três anos de idade versus carne de veado de 25 anos de idade. Ao longo de sua vida, esse cervo acumula tantos danos que sua carne é muito menos nutritiva do que a dos animais jovens. Os especialistas sugerem que os danos celulares ao DNA humano (ou da espécie que comer o produto) também ocorrem com os vegetais que são consumido